Antes tarde do que nunca, depois da tragédia governo federal exige fiscalização imediata em barragens no país

    101 total views, 1 views today

    Por Daniel Dantas;Sebrajor

    Não precisava ser assim, precisou um novo presidente, uma nova tragédia para que todas as barragens fossem submetida a fiscalização por ordem do governo federal.

    Foram realizadas duas reuniões às portas fechadas em Brasília do gabinete institucional de crises da presidência da república na primeira delas o governo demonstrou que a sua maior preocupação está sendo com o abastecimento de água para a cidade de Brumadinho e a região metropolitana de Belo Horizonte, tendo em vista que o rompimento da barragem possa ter afetado o sistema de abastecimento de água da região.

    Toda e qualquer barragem que possa representar ameaças à população vai passar por uma fiscalização imediata, segundo determinou ontem, segunda-feira(28) o gabinete de gerenciamento de crises da presidência da república em reunião em Brasília.

    Mais de uma mil barragens existem no país, porém as que efetivamente possam trazer qualquer tipo de riscos passaram por uma fiscalização imediatamente no Brasil. O governo só não disse como isso será feito, nem por quem e se o pais tem os equipamentos necessários para fazer uma fiscalização eficiente, também não disse quanto tempo isso levaria.

    A medida foi tomada em razão da tragédia que deixou dezenas de mortos e centenas de desaparecidos na última sexta´- feira (24) em Brumadinho(MG), quando a barragem da Mina Feijão da mineradora Vale rompeu a barragem causando uma das maiores tragédias humanas desse país.

    O gabinete institucional de gerenciamento de crises não contou com a participação do presidente em exercício general Hamilton Mourão (PRTB_SP) que assumiu a presidência da república interinamente nesta segunda-feira(28) por conta do afastamento do presidente da república Jair Messias Bolsonaro (PSL-SP), que em entrevista á um grupo de jornalista disse que a pretensão de intervir na direção da mineradora Vale no país está fora de cogitação, segundo os advogados da União, pois essa intervenção só poderá ser feita pelo grupo de conselheiros da empresa, porém  o governo vem estudando visando encontrar e punir os culpados pela tragédia.

    Exército Brasileiro

    O porta-voz da presidência da república Otávio Rego Barros, disse ontem em São Paulo que o Exército Brasileiro colocou à disposição do governo mineiro mais de 1000 homens, equipamentos, aeronaves, além de outros recursos para dar apoio às operações na região da tragédia.

    Já estão na região uma aeronave da aviação do Exército dando apoio às equipes de busca e resgate de corpos desde 25 de janeiro, além de militares que assessoram os 129 militares israelense que estão na região com equipamentos prestando ajuda humanitária ao país.

    Fonte: Jornal Nacional/Youtube

    Por Daniel Dantas/Sebrajor

     

    Tags: Gabinete institucional de gerenciamento de crises no país, Brumadinho, MG, Mineradora vale, fiscalização imediata das barragens, Daniel Dantas, Sebrajor, Exército Brasileiro, Porta-voz da presidência da república, Otávio Rego Barros, São Paulo, 28 de janeiro de 2018

    Siga-nos nas redes sociais

       

      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *