Major da pm carioca é executado a poucos metros da porta de casa

33 total views, 1 views today

Um major do Batalhão da ilha do governador foi executado com diversos tiros dentro do carro quando estava chegando em casa.

A profissão de pm no Brasil tem sido uma das profissões mais perigosas que existe, no rio de janeiro só este ano foram assassinado mais de 50 agentes de segurança, sendo um a cada 3 dias.

No Brasil como um todo levantamento das forças de segurança mostraram que as mortes de pm acontecem na maioria das vezes tem ocorrido fora do horário de trabalho, principalmente no bico ou quando o militar esta entre o caminho de ida ou volta ao trabalho.

Esses crimes ocorrem sob três circunstâncias distintas, são elas: por vingança, quando marginais que foram alvo de represália da policia em operações militares onde o pm fazia parte; quando o agente é assaltado e, os marginais encontram com ele identidade, fardas ou a arma da corporação e, finalmente no bico, trabalho esse que tem como objetivo melhorar a renda do agente no sentido de melhorar a qualidade da família.

Essa constatação foi feita depois de intensas pesquisas nos sites de notícias feitas pelo SEBRAJOR, que fez um levantamento nos últimos 3 anos onde a vitima tinha sido um agente de segurança.

  • Essa situação ocorre porque nos três casos o agente esta em desvantagem, encontra-se sozinho ou ao lado de familiares e, dessa forma não reage tentando contar com a sorte de não ser descoberto, no caso de assaltos;
  • Em caso de vingança, onde os marginais já levantaram a vida do pm, pois moram na imediações do pm, surpreendendo-o com ataques em que estão em maioria, de carro ou moto e, isso normalmente no caminho de casa, ou quando o agente esta saindo de casa;
  • No bico, como o soldo do pm é incompatível com suas necessidades ele se submete a trabalhar fora do horário de expediente para complementar a renda. Como normalmente fica sozinho no posto, armado, porém um alvo fácil porque já vem sendo estudado por meliantes, logo em assalto  ele é o primeiro a ser rendido ou alvejado, caso esboce qualquer reação.

Sugestões:

Depois de observar com cuidado cada situação acreditamos que só se muda essa situação a partir do momento em que os militares e agentes de segurança em geral forem melhores preparados para essa situação, como por exemplo:

  • Os militares no caminho para casa ou de casa para o trabalho não deveriam portar arma, nem estar fardado, tanto a arma quanto farta de identidade e distintivos deveriam ir no porta-malas do carro.

Isso faria com que o policial não se sentisse obrigado de pronto a reagir a um assalto, dando ao pm ou agente de segurança melhores chances de reação caso o dele não fosse levado pelos marginais de chamar por ajuda e, ai sim, depois do perigo se distanciar avaliar melhor que estratégia de reação buscar.

Como evitar a morte por vingança

Isso se faz tirando o pm de sua região, não expondo ele a correr riscos desnecessários em operações policiais que fatalmente vão desencadear em prisões, apreensões, troca de tiros e mortes, pois se o pm ou o agente é de região distante de suas operações diárias ele possivelmente não correria risco de morte por represálias de marginais;

A quem interessa saber o nome do pm

Uma outra medida simples poderia também evitar a morte de pm por vinganças seria a criação de um código composto de números e letras que só a corporação tivesse conhecimento para identificar o agente, assim seu nome ficaria oculto, dando ele o anonimato civil.

  • Isso não seria uma forma de protegê-lo quando em caso de abuso de autoridade ou desvio de conduta, pois esse código seria único na corporação, fácil de identificar pelo comando da tropa, da guarnição, da Cia ou do Batalhão, porém não fácil como um nome na lapela ou no bolso da gandola ou farta do militar.

Marginais também tem redes sociais

  • Redes sociais, os agentes de segurança precisam ser treinados para acreditarem que exercem uma profissão diferenciada, que os riscos são reais e eminentes, por isso a sua discrição e anonimato vai proteger sua vida e de seus familiares, por isso devem utilizar as redes sociais com muito cuidado, muita cautela, evitando falar de trabalho, evitar se deixar fotografar fardado junto de amigos, parentes ou em na sua casa, principalmente porque depois isso será impulsionado nas redes sociais, expondo-o ao risco de morte por represálias.

Carona ou comboio solidário

Se os agentes de segurança puderem formar grupos de colegas que moram na mesma região para que eles possam dar caronas ou se dirigirem em comboios tanto quando estão indo para casa quando estão indo para o trabalho vai ajudar em sua proteção, pois dois ou três militares juntos conseguem interromper qualquer ataque ou pelo menos terão maiores chances.

Troca de turno

Um dos maiores erros cometido pelas corporações que qualquer pessoa um pouco mais informada sabe qual é a hora da troca de turno dos pm ou agentes de segurança, por essa razão os crimes cometidos contra a sociedade são entre 05h30 e 7h00, pois os marginais sabem que durante esse tempo os pm ainda estão se preparando para sair ás ruas, que já estão aquartelados, podendo cometer o crime de rua, parada de ponto de ônibus ou cometer assalto à residência, já que é neste momento que a maioria das pessoas saem de casa para trabalhar.

Claro que é neste momento também que os agentes são seguidos, são esperados no caminho de suas casas, pois os marginais são ser pensantes, são dotados de senso de observação, são impiedosos e não precisam de código de ética, honra ou de permissão para se vingarem.

O autor é jornalista com registro profissional sob nº57.732/DRT/SP, analista criminal, observador e estudioso da formação da Secretaria de Segurança Publica Nacional (SINASP) e pertencente a reserva pró-ativa do Exército Brasileiro,  tendo sido militar da com formação militar pela Escola de Sargentos das Armas (EsSa) e, especialista em inteligência e contra-inteligência.

Por D’Quental/Sebrajor

 

 

Siga-nos nas redes sociais

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *