O que você esta fazendo hoje define quem você é, logo:”estamos, não somos”.

30 total views, 1 views today

Apenas o gênero sexual pode ser definido com somos: homem ou mulher, masculino ou feminino, muito embora a moda hoje também quer ditar para isso novas regras, então aqui vale uma parte:”apenas Deus é Deus, o resto, podemos dizer que somos, logo eu pergunto, já que você esta, qual é o seu papel hoje, esta fazendo de acordo com ele:

Crescemos ouvindo as pessoas dizerem o que são: médicos, advogados, policias, mecânicos, enfermeiros, aviadores, ladrões, etc., essas pessoas podem mudar o que estão fazendo, logo elas não são, elas estão.

Podemos afirmar com certeza de que nascemos homens ou mulheres, claro, se não fosse a moda poderíamos afirmar que estamos somos:”homens ou mulheres, macho ou fêmea, masculino ou feminino”, porém a moda diz que hoje estamos homens ou mulheres, mas que a manhã podemos estar ocupando o corpo do sexo oposto, polêmicas a parte a pergunta que não quer calar é:”o que você ‘esta’ fazendo hoje?”, saiba que o que você esta fazendo hoje define quem você é no momento.

Recentemente escrevi ‘qual é o papel da imprensa’ pois o papel da imprensa é o de informar, denunciar, assim o jornalista é sim na concepção literária da palavra um ‘informante social’, suas informações devem ser analisadas com antecedência e cuidado para o bem estar, a segurança, a moradia, doenças, política, educação e preparação para o mercado de trabalho, logo o jornalista em atividade desempenho dois papéis importantes; são eles: apurar, investigar, documentar, reunir provas e, divulgar a informação para quem de fato o interessa, esse é o papel do jornalista, isso é o que ele é quando esta no exercício de sua profissão e, o  seu papel, qual é a sua missão?

No Exército, por exemplo, um general dá uma missão a um imediato, hierarquicamente deve ser a um Coronel, se estivermos falando de um general de brigada, a menor patente entre os generais, logo se espera que ele cumpra tal missão, seja direta ou indiretamente, porém que o faça, caso contrário cabeças irão rolar.

Quando estive em serviço na Escola de Sargentos das Armas ( EsSa), na cidade de Três Corações, unidade de formação dos Sargentos do Exército Brasileiro, tive um comandante, na época o Cel Ives Henrique Sá que dizia, Sargento só serve para ser sargento, se estiver fazendo serviço de cabo, deixa de ter serventia, já se estiver fazendo serviço de tenente, esta cometendo crime de usurpação pública, você faz o que foi preparado, aquilo de não foi preparado ou, aquilo de que não tem preparo? Quem você é, depende daquilo do que esta fazendo, pense nisso.

Cada um de nós temos a nossa profissão, aquela de que fomos preparados, aquela em que formamos, por exemplo, quando fui para reserva, passei a ser reservista, muita embora dizem que uma vez soldado, sempre soldado, claro que no coração sim, na vida não, se você esta preparado(a) para comandar, isso implica em mandar, determinar, delegar, se você continua fazendo aquilo que tem a obrigação de mandar que alguém o faça, então você não é quem diz ser, pois se ‘você precisar dizer quem é, logo é porque você não é’, pense nisso.

Qual é o papel da policia, manter a ordem, promover a segurança pública, investigar, deter, averiguar, conseguir provas e levá-las ao conhecimento da justiça para que possa avaliar, julgar, condenar ou absolver um suspeito e, qual é o papel do Policial, temos dois tipo de policia: civil e militar, o que cabe cada um deles fazer, vamos ver juntos?

Bom,  o Policial Militar é preparado para o combate  do crime no momento em que ele acontece ou esta acontecendo, é o homem de rua, aquele que em promove a segurança por meio de sua presença, esta quase sempre fardado, com exceção do P2, aquele do reservado, que normalmente atua como investigador da policia militar, quer para atuar no combate ao desvio de conduta de militares ou para fazer levantamento de inteligência antes de operações militares ou no pior caso quando, não é da alçada do policial militar entrar em favelas ou em mansões para prender suspeitos de crimes passados, entretanto quando isso é solicitado, ele com policiais civis fazem.

Como segundo a constituição não existe crime sem que antes tenha uma lei que o assim defina, logo todo o agente da lei pode combater o crime, investigando, detento pessoas suspeitas de cometerem crimes assim definido pela lei, qual é o seu papel, qual é a sua missão: “que lei defini isso?”

Muitas vezes em reportagens em que tenho participado tenho ouvido de policiais militares de que a imprensa não pode isso ou aquilo, interessante, como militar da reserva fico pensando, onde esta esta lei que não consegui ver? Recentemente fui fazer uma reportagem em um acidente um policial militar quis parar o meu trabalho, dizendo que não poderia fotografar local sem antes do seu:”Comando” chegar, interessante, onde isso estava escrito, mostrando várias coisas, primeiro que o policial militar não tem poderes para falar o que o outro pode ou não fazer, tudo que ele pode e deve é preservar o local dos fatos, não permitir, inclusive ele não se deixar levar pela vaidade e contaminar as provas, pois a perícia precisa fazer o seu trabalho, depois ele sim tem que obedecer o seu comando, não tirar o direito do jornalista, profissional de imprensa de informar, até acredito que alguns comandantes determinam que isso seja feito, talvez por exagero da imprensa ou de alguns profissionais de imprensa.

Quando o pm viu que não daria para me barrar, ameaçou de me colocar como testemunha, depois pegou meus documentos no sentido de levantar se eu tivesse alguma coisa na justiça, que no meu caso fui investigado, porém não condenado, esse policial veio dizer que tinha o nome sujo, queria mesmo me levar para o distrito, só que não tinha nenhuma ordem de prisão contra mim, graças a Deus, mas no local tinha outro policial que o desautorizou, mostrando que nem todos são iguais e incompetentes, poderia ter me apresentado como da reserva ativa do Exército, mas achei que deveria deixá-lo, como dizia o Capitão Claret, hoje General 3 estrelas: vamos dar corda para ele se enforcar em sua própria ignorância, para isso é que existe a corregedoria, o IPM, para apurar abusos e, punir os responsáveis.

Outro dia fui a uma unidade da UPA, acompanhar um filho, quando vi um médico dizendo ao paciente que ele esta fingindo, uma pena, como ele chegou a essa conclusão: apenas olhando? Qual seria o papel do médico, não seria o de investigar o paciente? Para isso ele tinha que fazer o que? Ouvir o paciente, analisar o que o paciente dizer estar sentindo, se tivesse dúvidas solicitar exames e, caso sua suspeitas tivessem se confirmado, ou seja, se nada fosse diagnosticado em relação aquilo que o paciente dizia, então, ele poderia dispensar o idoso, sem ofendê-lo, pois é certo que em muitos casos o problema do paciente é mais social do que físico, mas ainda assim aquele não era o papel do médico.

No momento em que o país passa por uma grande crise se faz necessário que as pessoas passem a valorizar o que fazem, por exemplo o índice de desemprego no país alcançou o astronômico número dos 13,7 milhões de desempregados, perder o emprego em uma época como essa não existe pior coisa, dai a necessidade de que todos, todos, sem exceção reavaliamos nosso papel, quer seja como pessoa, quer seja como profissionais ou empresas e, nos perguntarmos:” qual é o meu papel, qual é a minha missão, onde isso esta fundamentado, estou fazendo o certo?”

 

 

Siga-nos nas redes sociais

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *