terça-feira, agosto 20

Se deixasse de filmar teria ajudado a salvar pessoas: homem filma o momento do rompimento da barragem

    344 total views, 1 views today

    Vídeo gravado por operários da mineradora Vale na Mina Feijão, mostra os momentos finais que antecederam o rompimento da barragem onde há 6 dias matou dezenas de pessoas.

    Operários da mineradora documentaram os dois últimos minutos da barragem da Mina do Feijão em Brumadinho antes que ela se rompesse totalmente causando a morte de dezenas de pessoas e o desaparecimento de mais de duas centenas de pessoas.

    Muito se questiona o papel da imprensa, inclusive no filme: “ repórteres de guerra”, quando o Fotojornalista (Kevin Carter) fotografou um abutre na espreita à espera do corpo frágil de uma garota africana, acabasse se desfalecendo de fome e fraqueza para ele (abutre) pudesse iniciar a sua refeição. Uma jornalista entrevistava Kevin Carter, perguntando a ele se sabia o que aconteceu com a criança.

    Nos dias de hoje todos temos em mãos um celular, literalmente em mãos, por isso o papel da imprensa foi fragmentado, não existe mais o furo da reportagem, alguém de fora da mídia teve a cena mais importante, foi o que aconteceu na Mina do Feijão em Brumadinho, mg, por conta do desabamento da barragem matando até o momento 99 pessoas e provocando o desaparecendo de outras 259 pessoas, quando uma pessoa, não se sabe se operário ou não, porém se deduz que sim capturou os momentos que antecederam o rompimento da barreira.

    Acredito que o papel da pessoa que filmou o acidente deve dar alguma contribuição à perícia, mostrando a dinâmica dos acontecimentos mostrando por exemplo que pessoas trabalhavam com equipamentos em cima às margens da barreira, que talvez isso tenha contribuído para o desmoronamento da barragem. Porém, será que aqueles minutos, pouco menos de 5 minutos, quando ele observou que alguma coisa não estava indo bem tivesse parado de filmar e fosse até o restaurante algumas pessoas a mais pudessem ter sobrevivido, podia ser apenas uma, más, poderia ser uma centena, o que você acha, assista ao vídeo e deixe os seus comentários.

    O vídeo também contribuiu para mostrar que no momento que antecedeu ao desmoronamento da barragem não tinha ninguém de comando nas imediações, alguém que os outros operários pudessem realmente respeitar e, acatar ordens para sair do local. Sem contar o problema da sirene que não funcionou.

    Não sou especialista e o mais perto que estive de uma barragem deve ter sido aquelas que fazemos em casa por quando criança colocamos barro, pedra, folhas e troncos de madeira com o objetivo de estancar a água. Porém, hoje, ao assistir ao vídeo, vi que não tinha nada, nem ninguém que pudesse contribuir para a evacuação das pessoas do local; algo ou alguém que pudesse comunicar às pessoas abaixo, no restaurante, na administração da empresa do que estava ocorrendo, tipo uma brigada de fuga e evacuação, nos moldes das brigadas de incêndio que ocorre nos prédios ou locais de grandes agremiação de pessoas.

    Bom, como eu disse, não sei nada de barragem, talvez por isso sempre me mantive longe delas, talvez se estivesse essa mesma percepção entre as pessoas que dirigem a empresa provavelmente eles não estariam lá e, centenas de pessoas pudessem tendo o direito de continuar a viver, não é verdade.

    Siga-nos nas redes sociais

       

      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *